OUT. 11, 2017 16:27:00

CNC: Volume de recursos do Funcafé liberado aos agentes chega a R$ 2,458 bilhões

BALANÇO SEMANAL — 09 a 13/10/2017
FUNCAFÉ — De acordo com informações atualizadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) até a manhã desta quarta-feira, 12 de outubro, o volume de recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) liberado aos agentes financeiros, com data de referência do dia 6 deste mês, é de R$ 2,458 bilhões (clique na tabela abaixo), respondendo por 53,5% do total de R$ 4,598 bilhões solicitados na temporada cafeeira atual.
 
9e8a0bc4-2b86-4f4b-9894-8ca2f9267363.jpg
 
Do montante recebido pelas instituições, R$ 1,114 bilhão foi destinado para a linha de Estocagem; R$ 549,1 milhões ao Financiamento para Aquisição de Café (FAC); R$ 435,8 milhões para Custeio; e R$ 359 milhões para as linhas de Capital de Giro, sendo R$ 179,6 milhões para Cooperativas de Produção, R$ 124,8 milhões para Indústrias de Torrefação e R$ 54,6 milhões para o setor de Solúvel.
 
RECURSOS PARA PESQUISAS — Desde o segundo semestre de 2016, o CNC tem coordenando trabalho junto às entidades nacionais da cadeia café para sensibilizar o Governo Federal da necessidade de excluir a reserva de contingência do Funcafé do Projeto de Lei Orçamentária - PLOA de 2018. A ação é de suma importância para que o setor, representado no Mapa pelo Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC), possa implementar projetos e ações de seu interesse, como era feito anteriormente a 2013.
 
Entretanto, diante da crise fiscal por que passa o Governo Federal, o Ministério do Planejamento, à revelia dos pleitos da cadeia produtiva, optou por expandir o valor da reserva de contingência do Funcafé em 2018, decisão que impactou negativamente o orçamento disponível para o Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café, executar suas atividades no próximo ano.
 
Ciente da importância da pesquisa cafeeira para o fortalecimento da competitividade da cafeicultura nacional, o CNC já iniciou gestões junto ao relator setorial de Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Agrário da proposta de Lei Orçamentária 2018 no Congresso Nacional para que seja revertido o corte dos recursos para o Consórcio Pesquisa Café em 2018.
 
FLORADA E ESPECULAÇÕES — Em meio ao cenário especulativo normal para essa época do ano em relação à safra futura de café no Brasil, o retorno das chuvas no cinturão produtor do País possibilitou a abertura da primeira florada nos cafezais de arábica, após longo período de estiagem, que gerou perda acentuada de folha.
 
Como sempre, a abertura da florada marca um grande espetáculo da natureza do café, mas também atrai os especuladores de plantão para tentarem tirar proveito comercial ao iniciarem projeções irreais sobre a produção brasileira, como já temos observado diversos players internacionais falando sobre supersafra nacional.
 
O CNC, no exercício de seu papel de entidade de classe, volta a público para pontuar que isso é completamente inconcebível no atual momento, haja vista que: (i) é necessário que a chuva permaneça sobre as lavouras para a manutenção das flores e o consequente pegamento; (ii) também precisamos saber qual foi o impacto da seca nas plantas para saber se terão como suportar a florada; e (iii) devido à precocidade, não há a menor possibilidade de especular o tamanho da próxima safra com base nessa florada que não sabemos no que resultará.
 
A única certeza que podemos ter, nesse momento, é que está completamente descartada a possibilidade de uma supersafra como especuladores vêm divulgando recentemente. Isso porque o impacto do longo período de seca debilitou parte dos pés de café e diminuiu os níveis de armazenamento de água no solo para níveis aquém do necessário em muitas áreas. Garantias sobre o tamanho da produção serão possíveis somente por volta de fevereiro, quando o ciclo botânico dos cafezais já demonstrará o potencial produtivo.
 
Reiteramos, como sempre feito nessa época do ano, que projetar safras futuras abundantes é precoce e que essa atitude tem o intento único de pressionar as cotações, prejudicando o principal elo da cadeia produtiva, que é o produtor, o qual já possui elevados gastos para exercer sua atividade nas plataformas ambiental e social da sustentabilidade.
Tags:
Fonte: CNC