JAN. 14, 2022 17:41:22

Açúcar bruto se recupera e fecha semana com alta de mais de 2% em NY

Os futuros do açúcar encerraram a sessão desta sexta-feira (14) com alta de mais de 1% nas bolsas de Nova York e Londres, que deram suporte para um acumulado semanal positivo. O dia foi de suporte do petróleo, além de seguir atenção para as origens.

O principal vencimento do açúcar bruto na Bolsa de Nova York saltou 1,22%, cotado a US$ 18,31 c/lb, com máxima de 18,37 c/lb e mínima de 18,03 c/lb. Em Londres, o primeiro vencimento avançou 1,07%, negociado a US$ 502,60 a tonelada.

Na semana, o principal vencimento do adoçante no terminal norte-americano saltou 2,69%.

Depois de quedas seguidas na primeira semana do ano, o açúcar se recuperou nesta semana, principalmente focado no financeiro e com ajuste de posições. Além disso, há alguma movimentação antes do feriado na segunda que fecha as bolsas.

Nesta sexta-feira, os futuros do petróleo no internacional chegaram a registrar alta superior a 2% impulsionados por restrições de oferta e preocupações de um ataque russo à vizinha Ucrânia, segundo informações da agência Reuters.

"As pessoas que olham para o quadro geral percebem que a situação global de oferta versus demanda está muito apertada e isso está dando ao mercado um sólido impulso", explica Phil Flynn, analista sênior do Price Futures Group.

As usinas definem o mix na safra com base nos melhores preços de açúcar ou de etanol, que acompanha as oscilações da gasolina.

O mercado também repercute a saída da Índia das negociações externas de açúcar com preços no país compensando mais neste momento, após os preços em Nova York caírem para o patamar de US$ 18 c/lb nos últimos dias em meio expectativas com as origens.

"No nível de preços atuais, as exportações da Índia não são viáveis. As usinas estão obtendo preços muito mais altos no mercado local", disse à Reuters Ravi Gupta, presidente do comitê de exportação da All India Sugar Traders Association (AISTA).

Para a safra 2022/23 do Brasil, as expectativas do mercado já são mais positivas diante de melhora no clima no Centro-Sul, principal região produtora de cana-de-açúcar do país. A safra indiana também tem avançado bem.

A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) trouxe nesta semana que a quantidade de cana-de-açúcar processada na 2021/2022 permaneceu em 521,67 milhões de toneladas, sem números de moagem na última quinzena de novembro.

A entidade espera que a safra termine em cerca de 525 milhões de t de moagem.

MERCADO INTERNO

Os preços do açúcar iniciaram o ano ainda valorizados, mas distantes dos recordes do final de 2021.

No último dia de negociação, o Indicador CEPEA/ESALQ do açúcar, cor Icumsa de 130 a 180, mercado paulista, subiu 0,45%, negociado a R$ 152,96 a saca de 50 kg.

Já nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, o açúcar ficou cotado a R$ 151,90 a saca - estável, segundo dados levantados pela consultoria Datagro. O açúcar VHP, em Santos (SP), tinha no último dia de apuração o preço FOB a US$ 18,77 c/lb com queda de 1,37%.

» Clique e veja as cotações completas de sucroenergético