A previsão para a safra de trigo é boa, mas duas regiões sofrem com a falta de chuva no RS

A Bolsa Brasileira de Mercadorias participou da reunião da Câmara Setorial do Trigo da SEADPDR

Por Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do RS
19/08/2021

A previsão para a safra de trigo é boa, mas duas regiões sofrem com a falta de chuva no RS

A Bolsa Brasileira de Mercadorias participou da reunião da Câmara Setorial do Trigo da SEADPDR

Por Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do RS
19/08/2021

Representantes do setor produtivo, financeiro, industrial, das cooperativas, da área de pesquisa e dos governos estadual e federal estiveram presentes em reunião virtual esta semana da Câmara Setorial do Trigo, organizada pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR). Os dados preliminares de produção, colheita e área do trigo foram apresentados pelas diferentes entidades.

 

A Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul) acredita que a área plantada com trigo deve chegar a 1.150 mil hectares com uma colheita de 3 milhões e meio de toneladas. Segundo Hamilton Jardim, que também é presidente da Câmara Nacional das Culturas de Inverno do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), “ainda é cedo para os números definitivos. Mas o cenário positivo e a expectativa dos produtores é grande, levando a estes números”.

 

Já a EMATER tem a estimativa de uma área plantada de 1.100 mil hectares, com uma produtividade que pode ficar acima de 3.000 kg/ha. “As intempéries, principalmente a geada, causaram estragos pontuais em algumas lavouras. E nós temos relatos de baixo desenvolvimento na região das Missões por causa da estiagem. Mas como existem diferenças entre as regiões, até o momento a nossa expectativa é de que a safra seja favorável”, avalia Elder Dal Prá, da gerência técnica da EMATER/RS.


O representante da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Carlos Bestetti, acredita que a área deve ficar em torno de 1.145 mil ha, com uma produtividade de 3.302 kg/ha e uma produção total de 3.781 mil toneladas. Mas, segundo ele, existe uma preocupação com o fator climático nas regiões Noroeste e Missões. “A planta está sentindo muito a falta de umidade nestas regiões, já tem trigo morrendo e as previsões climáticas não são animadoras, não tem chuva prevista. E o trigo precisa de umidade no período de florescimento”, diz Bestetti.

 

O assessor de agronegócio do Banco do Brasil, Edgar Schnitzler, relata que os meses de junho e julho foram bons para a cultura do trigo. Mas que agosto chegou com chuvas dispersas e que no Noroeste gaúcho já existem bolsões de seca, com níveis de umidade muito baixos. “As plantas não estão conseguindo desenvolver o seu potencial. Estamos em situação de alerta”, afirma Edgar.

 

Outros assuntos

 

A Câmara Setorial aprovou o encaminhamento de campanhas educativas, por parte das entidades de produtores, cooperativas e assistência técnica, visando a utilização de produtos registrados para a cultura do trigo, exaltando as boas práticas agronômicas para garantir a qualidade do trigo gaúcho.

 

Participaram da reunião: SINDITRIGO, FECOAGRO, FARSUL, EMBRAPA Trigo, EMATER, CONAB, MAPA, Banco do Brasil, Bolsa Brasileira de Mercadorias, OR Sementes e SEAPDR.

 

Confira as cotações atualizadas do trigo no Indicador BBM

Últimos Posts